Prática e desempenho de testes de lúpus anticoagulante: Uma experiência de centro único

Introdução: O lúpus anticoagulante (LA) é um conhecido factor de risco de trombose. O diagnóstico correto de LA é essencial no tratamento de pacientes com anticoagulação. Os objetivos deste estudo foram documentar as características clínicas e laboratoriais dos pacientes testados para LA e avaliar os métodos de teste de LA existentes em nosso laboratório com o objetivo de melhorar o desempenho da interpretação e relato dos testes de LA.

Métodos: Os testes para LA incluem diluir o tempo de veneno de víbora de Russell (dRVVT) e tempo de coagulação de caulino (KCT). Pacientes com razão LA (razão de tela dRVVT/ razão de confirmação dRVVT) de ≥1,2 foram considerados como LA positivos, independentemente dos resultados do TCK. O TCK foi considerado positivo se houvesse um prolongamento no teste de triagem do TCK que não foi corrigido na mistura com plasma normal.

Resultados: Dos 577 resultados dos pacientes, 295 eram normais, 178 eram TCK positivos com dRVVT negativo e 104 eram LA positivos. Incidências de trombose, doença do tecido conjuntivo (DTC) e eventos obstétricos ruins foram observadas em 13%, 16% e 44% dos pacientes normais, 9%, 22% e 49% dos pacientes de TCK+ e 23%, 37% e 17% dos pacientes de AE+, respectivamente. Na avaliação posterior das proporções de tela do dRVVT, 431 tiveram uma proporção de <1,1, 59 tiveram uma proporção entre 1,1 e 1,2 e 87 tiveram uma proporção de >1,2. Resultados LA positivos foram encontrados em 3%, 29% e 87% dos pacientes com razão de tela de TVAD de <1,1, 1,1 – 1,2 e >1,2, respectivamente.

Conclusão: Os pacientes com LA+ tiveram maior incidência de trombose e CTD em comparação com pacientes normais e TCK apenas positivos. Não houve diferença significativa nas características clínicas entre pacientes normais e TCK+, o que sugere a presença de uma alta taxa de resultados de TCK falso-positivos. Como o teste de confirmação para o TCK não é amplamente utilizado, a opção de utilizar outro método de teste de triagem para LA deve ser considerada. Em relação ao teste de dRVVT, o teste confirmatório só deve ser realizado em pacientes com resultado prolongado de triagem de dRVVT que não foi corrigido ao se misturar com plasma normal, como requerido pela Sociedade Internacional de Trombose e Hemostasia nas diretrizes sobre o teste de LA. Esta prática não só resultará em significativa redução de custos, mas também evitará confusão diagnóstica.

Deixe um comentário